Informamos que em obediência a legislação eleitoral (Lei nº 9.504/97), o Governo do Estado do Piauí, através dos seus órgãos da Administração Direta e Indireta, limita sua publicidade informativa aos piauienses, e a quem possa interessar, pelo período eleitoral, compreendido entre 05 de julho, até 07 de outubro de 2018.

Voltar para Página Principal

COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA-CAPD

A CAPD foi incorporada no organograma da SESAPI em junho de 2004, hierarquicamente subordinada à Gerência de Atenção à Saúde (GAS) da Diretoria de Unidade de Vigilância e Atenção à Saúde (DUVAS), à qual coube a elaboração de proposta institucional de atuação efetiva na melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiências, através do Sistema Único de Saúde / SUS-PI.

Missão: Promover ações que proporcionem a pessoa com deficiência o desenvolvimento da sua capacidade funcional e desempenho humano – de modo a contribuir para a sua inclusão plena em todas as esferas da vida social – e proteger a saúde deste segmento populacional, bem como prevenir agravos que determinem o aparecimento de deficiências.

Objetivos:

  • Implantar e desenvolver a Política Estadual de Saúde da Pessoa com Deficiência (Física/Motora, Auditiva, Visual e Intelectual/Autismo), a partir da Organização das Redes de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência, em conformidade com as diretrizes estabelecidas pela Política Nacional;
  • Implantar e Acompanhar no âmbito do SUS o Programa Estadual de Triagem Neonatal – "Teste do Pezinho”.

Atribuições da Coordenação:

  • Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência Física (e Ostomias)
  • Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência Intelectual (e Autismo)
  • Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência Auditiva
  • Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência Visual
  • Coordenação do Programa Estadual de Triagem Neonatal – PETN

Atenção a Saúde da Pessoa com Deficiência Física: estruturar e organizar a Rede Estadual de Reabilitação Física (RERF); desenvolver ações de prevenção da deficiência física; promover a qualificação dos profissionais de saúde da equipe multiprofissional dos serviços que compõem a Rede Estadual de Reabilitação Física; monitorar e supervisionar dos serviços de reabilitação da rede estadual e desenvolver ações de promoção da inclusão das pessoas com deficiência física.

Atualmente, a RERF é composta por 37 Serviços de nível I(Intermunicipal); 03 serviços de nível II (Média complexidade) e 01 serviço de nível III (Alta complexidade), distribuídos nos territórios de desenvolvimentos piauienses. Em 2011 foram atendidos 36.000 pessoas com 321.000 atendimentos na rede. A dispensação de órtese, próteses e meios auxiliares de locomoção (OPM) é realizada pelo Centro Integrado de Reabilitação (CEIR) através da oficina ortopédica que em 2011 foram dispensados 11.450 OPM’s.

Atenção a Saúde da Pessoa com Deficiência Intelectual (e Autismo): Implantar e organizar os Serviços de Atenção à Pessoa com Deficiência Intelectual (e Autismo), além de desenvolver atividades de monitoramento, ações de prevenção da deficiência intelectual (e autismo) e ações de promoção da inclusão social das pessoas com deficiência intelectual (e autismo). A Rede está sendo composta por Instituições Filantrópicas. Instituições já credenciadas junto ao SUS: APAEs de Esperantina,de Parnaíba, de Piripiri, de José de Freitas e em Teresina APAE e Apada.

Atenção a Saúde da Pessoa com Deficiência Auditiva: Implantar/organizar Rede de Atenção à Saúde Auditiva; monitorar/Supervisionar os serviços credenciados em saúde auditiva; Implantação/implementação da Triagem Auditiva Neonatal (teste da orelhinha) no Estado e desenvolver ações de promoção e prevenção de saúde auditiva. A Rede é composta por: 02 serviços de Alta complexidade: Clínica Otorrinos e Centro Integrado de Saúde Lineu Araújo, 01 serviço de Média complexidade: Clinica Flávio Santos; serviços de terapia fonoaudiológica e serviços de saúde da Atenção Básica. A Triagem Auditiva Neonatal (TAN- Teste da Orelhinha) é realizada nos bebes de auto riscos de perda auditiva na Maternidade Dona Evangelina Rosa. Em 2011 foram dispensadas aproximadamente 3.015 AASI (Aparelho de Amplificação Sonora Individual).

Atenção a Saúde da Pessoa com Deficiência Visual está sendo implantado o serviço Estadual de Reabilitação Visual, no Hospital da Polícia Militar, com recursos estaduais e do Ministério da Saúde, conforme projeto enviado à Área técnica da Pessoa com Deficiência no Ministério da Saúde e aprovado em CIB (dezembro de 2010).

Coordenação do Programa Estadual de Triagem Neonatal – PETN - Funciona junto à CAPD e tem como objetivo: Desenvolver ações de triagem neonatal, diagnóstico, acompanhamento e tratamento das seguintes doenças congênitas:

  • Fenilcetonúria;
  • Hipotireodismo congênito;
  • Doenças Falciformes e outras hemoglobinopatias;
  • Fibrose Cística

Atribuições:

  • Conciliar a Portaria GM/MS nº 822/2001 que instituiu o Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN) no Brasil, com a ação da Triagem Neonatal no Estado;
  • Realizar diagnóstico da situação da Triagem Neonatal (TN) no estado;
  • Promover os implementos necessários para a efetivação dos objetivos do Programa;
  • Elaborar em parceria com as SMS as estratégias de implantação do PNTN;
  • Organizar a Rede Estadual de Triagem Neonatal;
  • Implantar e acompanhar serviços de referencia e contra referencia em triagem Neonatal;
  • Cadastrar postos e gerenciar a Rede de Coleta em TN.
  • Organizar a rede assistencial complementar- ambulatorial e hospitalar;
  • Assessorar os municípios no processo de implementação e desenvolvimento do programa.

O Estado foi habilitado na Fase I do PNTN mediante Portaria Nº 706 de 25 de Novembro de 2004 cadastrando o Hospital Infantil Lucídio Portela (HILP) como o Serviço de Referencia em Triagem Neonatal (SRTN). Atualmente todos os municípios do Piauí (224) possuem postos de coleta cadastrados, totalizando 257 postos. No ano de 2011 foram realizados 31.676 exames para a Triagem Neonatal (“Teste do Pezinho”) pelo Laboratório Central (LACEN). Em relação ao acompanhamento e tratamento das doenças triadas, todas as crianças são encaminhadas ao Serviço de Referência HILP, em Teresina. Existem 120 crianças em tratamento, sendo 15 de fenilcetonúria, 05 de hiporfenilcetonuria e 100 de hipotireoidismo congênito.

 


 

  • Coordenadora: Julia Medeiros Almeida Moita
  • Email: capd2010@yahoo.com.br
  • Fone: 3216- 3561